segunda-feira, 4 de novembro de 2013

O Grande Amigo

0 comentários
 

"A distopia “1984”, publicada em 1949, onde George Orwell previa um mundo em guerra perpétua, controlado pela vigilância omnipresente de um sistema político que perseguia o pensamento independente e individual como criminoso, tornou-se uma referência durante a Guerra Fria, na qual se fizeram naturais paralelos com a realidade da União Soviética.
No entanto, a visão de Orwell apontava para mais longe. Apesar de o fim da Segunda Guerra Mundial ter trazido a esperança na paz, não assistimos ao “fim da História” e a realidade actual, sob a aparência de “mundo livre”, tem semelhanças assustadoras com a sua obra genial e premonitória.
A recente revelação de que os EUA vigiam os países “amigos e aliados” demonstrou que a nossa liberdade não corresponde à apregoada. Ao mesmo tempo, a ditadura do politicamente correcto persegue ferozmente qualquer um que se oponha à nova ordem estabelecida num mundo que – garantem-nos – está unificado pela globalização, para além de manter um verdadeiro ‘index’ de palavras e posturas proibidas.
É este o “Grande Amigo”, à semelhança do “Grande Irmão” orwelliano, que sob uma capa de protector nos oprime? Mais do que um país ou uma potência, o domínio é hoje exercício por um sistema internacional que se quer perpetuar.
Que fazer, então, perante o monstro? Dominique Venner questionava: como não ser rebelde hoje em dia? Existir, afirmava, é combater aquilo que nos nega.
Mas tais palavras, apesar de inspiradoras, podem parecer demasiado românticas. Numa época de conforto, hedonismo e resultados imediatos, qualquer corrida de longo curso – em especial uma em que o testemunho passa de geração em geração – é tida como inútil.
Pelo contrário. Como em “1984”, os membros da Fraternidade que se opunha ao regime sabiam que era improvável virem a ocorrer mudanças perceptíveis durante a sua vida. Por isso, eram os “mortos”, porque a sua única vida autêntica estava no futuro.
A mudança começa em nós e projecta-se nos nossos descendentes."

Duarte Branquinho
in "O Diabo", 29 de Outubro de 2013.

Sem comentários:

Enviar um comentário

 
© 2013. Design by Main-Blogger - Blogger Template and Blogging Stuff