quinta-feira, 7 de julho de 2011

Em defesa da nossa Língua

1 comentários
 

"Ao contrário do que muitos nos querem fazer crer, a questão do Acordo Ortográfico (AO) – exactamente por gerar tanto desacordo – está longe de estar terminada. No início deste novo ciclo, que se pretende de mudança política, onde tanto está a ser “reavaliado” e a atitude parece querer ser diferente do ilusionismo socrático predecessor, este é um ponto que devia estar na ordem do dia.
Foi exactamente neste sentido que apontou António Emiliano, professor de Linguística na Universidade Nova de Lisboa e um dos maiores (honra lhe seja feita) denunciadores do disparate que é o AO. Num artigo publicado no jornal “Público”, tomando como exemplo a reavaliação da construção do aeroporto de Alcochete, questionou: “Terá a língua menos valor, peso ou importância para Portugal e para as gerações vindouras do que um aeroporto?” Os assuntos complicados podem e devem ser apresentados de forma simples para que todos percebam. É aqui que Emiliano acerta na ‘mouche’.
Também Vasco Graça Moura, outro incansável contra o “abominável” acordo, nas suas palavras, afirmou que o actual Governo "deve voltar atrás e suspender a aplicação do AO", lembrando que "juridicamente não está em vigor".
Uma medida que urge “reavaliar”. O AO é inútil, desnecessário e catastrófico. A sua suspensão seria uma excelente e oportuna medida do novo Executivo.
Neste jornal faremos o que nos compete na defesa da nossa Língua e, tal como em tantos outros meios de comunicação, continuaremos a escrever em português e não em “acordês”."

Duarte Branquinho
in "O Diabo", 5 de Julho de 2011.

1 comentário:

 
© 2013. Design by Main-Blogger - Blogger Template and Blogging Stuff