quarta-feira, 9 de outubro de 2013

"A democracia assumiu foros de religião"

2 comentários
 

"Não sendo dominante o Evangelho de S. Marx, um outro recebe a adoração da generalidade dos habitantes do rectângulo. É o Evangelho democrático. Quem o não perfilha é excomungado e, mais ou menos, marginalizado. A democracia assumiu foros de religião. E não se pense que é uma religião que não faz uso do braço secular. Sem dúvida, proclama tal uso uma selvajaria, só própria de eras ainda não iluminadas pelo esplendor da nossa civilização — a civilização da bomba atómica. Porém o que ela diz é uma coisa, outra é o que faz. A democracia condena as fogueiras da Inquisição, mas aprova as fogueiras de Dresden, Hamburgo, Colónia, etc. Acha as cruzadas uma coisa indigna e um papa (democrata claro) pede desculpa pelas mesmas embora não tenha uma palavra de censura para o que o Sr. Eisenhower, inteiramente insuspeito na matéria, baptizou de Cruzade in Europe. E assim por diante. Escandalizam-se com a Gestapo, a Ovra, a Pide, e simultaneamente atribuem às suas polícias métodos e poderes semelhantes. Lembremos só num exemplo brevíssimo o que se passa no Iraque e em Guantánamo.
Em resumo a democracia berra contra a violência na altura exacta em que a emprega.
Claro que tomamos, aqui, democracia não como simples forma de governo mas como uma concepção axiológica. De resto uma e outra estão interligadas. O governo do povo pelo povo implica, obviamente, que os homens tenham liberdade de formar partidos e agrupamentos isto é, sejam dotados de liberdade de reunião. E, para formarem livremente os seus partidos ou agrupamentos, é indispensável que circulem sem obstáculos os ideais ou doutrinas, em volta dos quais aqueles se aglomerem — logo é indispensável a livre expressão do pensamento.
Qual o fundamento porém de tais liberdades? Obviamente, a imensa dignidade dos seus titulares, os homens, as pessoas humanas. Cada homem, cada pessoa humana será uma espécie de deusinho intangível e autónomo (claro que com excepção dumas pessoas humanas chamadas fascistas que, nem vale a pena discuti-lo, não têm obviamente a dignidade inerente a todas as pessoas humanas).
Torna-se patente que tais deusinhos não podem ser governados senão por si próprios e voltamos ao começo, à democracia enquanto regime."

António José de Brito

2 comentários:

  1. Muito interessante (principalmente a parte do deusinho ;) )... desconhecia a existência deste autor...

    ResponderEliminar
  2. Brilhante reflexão do Prof. António José de Brito, como aliás foram todas as que nos deixou.
    Este foi mais um dos brilhantes intelectuais que nos foi avisando ao longo de décadas sobre aquele que já está mais do que provado ser o pior regime político da História.

    Parabéns pelos magníficos extractos de textos dos vários autores nacionalistas consagrados que vai aqui deixando, cujos ensinamentos patrióticos plasmados em cada linha dos seus muitos artigos, crónicas, textos e livros são a derradeira âncora a que nos podemos agarrar para nela encontrar a esperança - e também alguma paz espiritual - da pouca que nos resta e que desde há muito nos tem ido abandonando .

    ResponderEliminar

 
© 2013. Design by Main-Blogger - Blogger Template and Blogging Stuff